DIÁLOGOS EM CAMPO

Na quinta (21/03) e na sexta-feira (22/03) após o término do congresso, organizamos duas viagens para possibilitar aos participantes diálogos com comunidades quilombolas e tradicionais.

Forma de inscrição: Estas atividades têm um custo adicional que precisa ser pago através do Eventbrite. Ao efetuar o pagamento desta atividade, o participante estará automaticamente inscrito. Para encontrar o link do pagamento, você deverá acessar o site do congresso no Eventbrite (https://www.eventbrite.com.br/e/iii-congresso-latino-americano-de-ecologia-politica-tickets-52722456286), clicar em “Ingressos” e ali identificar as opções “Diálogos em campo”, selecionar a atividade que quer participar e proceder com o pagamento.

Abaixo vão as descrições de cada uma destas atividades:

Quinta-feira, 21/03/2019

Territórios pesqueiros e quilombolas de Ilha de Maré: Vida, resistência e luta diante da indústria petroquímica e portuária.

A história de Ilha de Maré se confunde com a própria história conhecida e não conhecida do Brasil, por se localizar onde a colonização brasileira foi iniciada - um porto seguro de terras férteis para a produção de terra e água. A ilha é produto e produtora de dinâmica territoriais conflitivas com seu entorno. O seu povoamento, pós extermínio indígena, remonta aos negros escravizados fugidos dos engenhos, constituindo seu ‘lugar’ na ilha. Um dos ícones turísticos de Salvador/Bahia, atualmente um bairro da cidade; outrossim, resiste hoje e a partir da década de 1950, como ‘zona de sacrifício’ em nome do ‘desenvolvimento’ baiano e brasileiro, por sua população ser absolutamente invisibilizada diante dos problemas decorrentes da industrialização do entorno, inaugurado pela implantação da Refinaria Landulpho Alves - RLAM, seguido pelo Terminal Marítimo de Madre de Deus - TEMADRE, Complexo Industrial de Aratu - CIA, Porto de Aratu e Complexo Petroquímico de Camaçari - COPEC. Devido à falta de políticas públicas voltadas à população tradicional quilombola e pesqueira, antes de tudo, população humana e cidadã do Brasil, as populações clamam por olhos que as possam ver e mãos que possam agir para lhes garantirem o direito à vida com saúde e dignidade. (Rêgo, 2018)

  • Recepção com café da manhã no barco na praia de São Tomé de Paripe 8:00

  • Toxicotour – visita de barco, conduzida pelas lideranças locais, aos principais pontos de impactos e conflitos nos territórios no entorno de Ilha de Maré

  • Desembarque em uma das comunidades quilombolas da Ilha de Maré

  • Almoço e circulação livre pela comunidade

  • Roda de diálogo “Visibilização e enfrentamento como sobrevivência da comunidade tradicional frente a megaempreendimentos” com:

  • Representantes das comunidades locais

  • Alda Salomão, de Moçambique

  • Edna Castro, de Belém do Pará

  • Maristella Svampa, da Argentina

  • Catalina Toro Perez, da Colômbia

  • Mina Loreno Navarro, do México

  • Stefania Barca, da Itália

  • Angela Mendes, do Acre

  • Alessandra Munduruku, Aldeia Praia do Índio, Pará

  • Retorno à Praia de São Tomé de Paripe 17:00

Valor: R$ 50,00

Quantidade de pessoas (mínimo de 30 e máximo de 70)

TRANSLADO RODOVIÁRIO ATÉ SÃO TOMÉ DE PARIPE NÃO INCLUÍDO. A ORGANIZAÇÃO DO CONGRESSO ESTÁ À DISPOSIÇÃO PARA ORIENTAR OS/AS PARTICIPANTES SOBRE AS FORMAS DE CHEGAR NO LOCAL INDICADO.

SUGESTÕES DE TRANSLADO:

ÔNIBUS (Tempo estimado: 1h 44min)

Saída - Portão 2 UFBA (Avenida Adhemar de Barros)

CABULA 6 - LINHA 1130, até Praça Marechal Deodoro (Avenida Jequitaia)

BASE NAVAL - LINHA 1651, até Base Naval de Aratu (Rua Benjamim de Souza)

APLICATIVOS DE TRANSPORTE PRIVADO URBANO (Tempo estimado: 50min)

Valor aproximado - 40,00R$

Saída - Portão 2 UFBA (Avenida Adhemar de Barros) Chegada - Base Naval de Aratu (Rua Benjamim de Souza)

ALUGUEL DE VAN - 15 LUGARES

Valor aproximado - 390,00

ALUGUEL DE MICRO ÔNIBUS - 26 LUGARES

Valor aproximado - 750,00

Sexta-feira, 22/03/2019

Lutas e sobrevivência dos Quilombos do Recôncavo Baiano

As comunidades quilombolas da Bacia e Vale do Iguape (Município de Cachoeira), localizadas no Recôncavo Baiano, despertam atenção pelas conquistas obtidas por meio do Conselho Quilombola da Bacia e Vale do Iguape, consideradas importantes para os seus moradores como resultado de sua luta, protagonismo, organização coletiva e representatividade política. Outras comunidades quilombolas próximas, como a de São Braz (Município de Santo Amaro), ainda estão em processo de organização em meio a inúmeros conflitos com indústrias químicas e apropriação de terras para ocupação por eucalipto e bambu para as indústrias de papel e ainda com os efluentes das mesmas lançados no território pesqueiro.

O processo de organização social e política das comunidades quilombolas é um instrumento para conquista de seus direitos sociais. A luta dos quilombolas está voltada para uma visão de desenvolvimento sustentável e solidária, orientada pela construção da cidadania e da organização social, democratização do poder local e pelo desenvolvimento do potencial e da capacidade de reter e reinvestir a riqueza produzida com os recursos locais, de forma a respeitar os valores humanos e ambientais. Essa luta demarca um contexto histórico de transformação de práticas e de inserção socioeconômica e cultural na sociedade brasileira dos povos remanescentes de quilombo. Trata-se da busca pela afirmação de uma identidade de elementos distintivos, de uma reputação de características singulares que diferencia o local dentro do universo do modelo de desenvolvimento adotado, como uma tendência de afirmação das tradições locais, como resposta à exclusão ou como uma tendência de integração não subordinada (Jovelino 2018).

  • Transporte rodoviário saindo de Salvador às 7:00,

  • Passagem pelo quilombo de São Braz em Santo Amaro,

  • Roda de diálogo no quilombo do Kaonge em Cachoeira “Organização coletiva como forma de vida e resistência nos quilombos” com:

  • Representantes dos Quilombos da Resex do Iguape e do Quilombo de São Brás (Santo Amaro)

  • Catalina Toro Perez, da Colômbia

  • Edna Castro, de Belém do Pará

  • Stefania Barca, da Itália

  • Almoço : Arroz, Pirão, Moqueca de Ostra, Frango, salada e suco

  • Visita ao território e seus modos de vida: feitura de azeite de dendê, feitura de xarope e feitura de farinha

  • Lanche : Bolos diversos, Beiju, Banana, suco e café

  • Transporte rodoviário retornando para Salvador chegando por volta das 18:00

 

NOVO VALOR - R$ 77,00

Quantidade de pessoas: mínimo de 30

DÚVIDAS: congreso.ecologiapolitica@gmail.com

IIIº CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE ECOLOGIA POLÍTICA    © 2019